Como reduzir 3MCPD e GE, contaminantes do óleo de palma, durante o processamento de óleo de palma | Alfa Laval

Como reduzir 3MCPD e GE, contaminantes do óleo de palma, durante o processamento

Recentemente, o 3-MCPD em óleos vegetais tem recebido muita atenção nos últimos anos na indústria de óleos comestíveis. Na verdade, a discussão sobre isso já existe há décadas. Em 1978, 3-MCPD e seus ésteres (GEs) foram identificados como contaminantes de alimentos em proteínas vegetais hidrolisadas (HVPs). Desde então, esforços têm sido feitos para identificar em outros alimentos, incluindo óleos comestíveis, que possam conter esses contaminantes. Em 2013, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) identificou margarina, carnes em conserva, pão e óleo vegetal como as principais fontes de 3-MCPD. Estudos extensos sobre os efeitos possivelmente prejudiciais de compostos-traço no corpo humano levaram a uma maior regulamentação em 2018 sobre o conteúdo máximo desses contaminantes nos alimentos. Assim, é importante entender o que é 3-MCPD e como reduzir sua formação no processamento de alimentos.

DATA 2022-01-26

O que são 3-MCPD e GE no óleo de palma?

3-mcpd in palm oil.png

O que significa 3MCPD?

3-MCPD significa 3-monocloropropano diol. É um contaminante comum formado em alimentos com gordura processados a quente a partir de glicerol ou acil glicerídeos na presença de íons de cloreto. 3-MCPDE são os ésteres formados durante o mesmo processo.

 

What is GE in palm oil.png

O que é GE no óleo de palma?

Ésteres de ácido graxo glicidílico (GEs) são contaminantes formados a partir de óleo comestível durante processos de refinamento em alta temperatura. Os GEs, portanto, acabam em alimentos que contêm óleos e gorduras.

Regulamentos de 3-MCPD

Tanto os 3-MCPDs quanto os GEs são motivo de preocupação devido aos riscos à saúde relacionados à exposição. As recomendações de saúde pública aconselham as pessoas a minimizar a quantidade desses contaminantes que consomem e, portanto, os produtores de óleo comestível devem minimizar sua formação durante a produção.

Regulamento da UE sobre 3-MCPD

Em 2018, a União Europeia estabeleceu o teor máximo de éster de glicidila no óleo de palma em 1 ppm (relatado como glicidol) para consumo em alimentos para adultos e um máximo de 0,5 ppm para consumo em fórmulas infantis, comida para bebês, alimentos processados à base de cereais e sucos para bebês e crianças pequenas.

Regulamento do Conselho de Óleo de Palma da Malásia sobre 3-MCPD

Para estabelecer padrões industriais mais elevados e atender aos novos padrões de segurança alimentar da União Europeia, o Conselho de Óleo de Palma da Malásia estabeleceu regulamentos para os produtores de óleo de palma do país.

A partir de primeiro de janeiro de 2021, o teor máximo de GE no óleo de palmiste processado é de 1 ppm e, no óleo de palma processado, também é de 1 ppm.

Para todo o ano de 2021, o conteúdo máximo de 3-MCPDE no óleo de palmiste processado é 1,25 ppm e, no óleo de palma processado, é 2,5 ppm.

A partir de 1º de janeiro de 2022, o conteúdo máximo de 3-MCPDE no óleo de palma processado diminuirá de 2,5 ppm para 1,25 ppm para refinarias integradas, exportadores e importadores. No entanto, para refinarias independentes, a data efetiva será 1º de janeiro de 2023.

Formação de 3-MCPD e GE

O que se sabe sobre o 3-MCPD, seus ésteres e GEs é que esses compostos não estão presentes nas matérias-primas, mas aparecem como resultado do processamento de alimentos.

Formação de 3-MCPD

O 3-MCPDE é formado em alimentos gordurosos processados a quente a partir do glicerol ou acilglicerídeos na presença de íons de cloreto. A formação de 3-MCPDE é um processo irreversível. Uma vez formado, não há método conhecido pelo qual possa ser removido.  

Formação de GE

GE se forma durante o processamento em alta temperatura na etapa de desodorização. Ao contrário do 3-MCPDE, é possível converter GE em compostos inofensivos ou separar os GEs no óleo refinado.

Mitigação de 3-MCPD

 

Existem várias opções para a mitigação de 3-MCPD em toda a cadeia de valor - desde a plantação até o óleo refinado final. Suas opções dependerão de onde você opera na cadeia de valor de processamento.

palm plantation.png

  • Nas plantações, a escolha do fertilizante pode reduzir o nível de cloreto nos cachos de frutas frescas.
  • Nas usinas, lavar o cloro dos cachos frescos da palma é uma ação fundamental em uma fase inicial que evita que o cloro entre em contato com o óleo. No entanto, apesar dos melhores esforços, o cloro ainda pode acabar no óleo. Garantir o processamento dos cachos de frutas em 48 horas reduzirá a hidrólise e reduzirá o conteúdo de DAG no óleo de palma. Isso melhora a qualidade do óleo de palma bruto, ou CPO, tornando-o menos sujeito à formação de GE durante o refinamento.
  • Nas refinarias, a lavagem do óleo de palma bruto antes do refinamento garante os níveis de cloreto mais baixos possíveis. Na medida do possível, minimize a temperatura e o tempo de residência durante a desodorização. Fazer isso irá percorrer um longo caminho para atender às especificações finais do óleo refinado, como essa cor.

Mitigação de GE

oil-drop-640x360.jpg

Existem também várias maneiras de mitigar o éster de glicidol ou GE:

  • Primeiro, você pode minimizar a formação de GE no desodorizador limitando a temperatura e o tempo de residência.
  • Segundo: você pode refiná-lo novamente com terra de branqueamento ativado seguida por uma leve desodorização.
  • E, terceiro, você pode usar coluna para stripping de GE.
  • Há um 4º método de mitigação, uma tecnologia emergente desenvolvida pela Alfa Laval que agora está em andamento para ser demonstrada em escala industrial. Fique ligado no Alfa Laval ZeroGETM.  

 

.

Webinar

Saiba mais sobre como reduzir 3-MCPD e GE em nosso webinar, durante o qual nosso experiente especialista em óleo comestível compartilha detalhes sobre:

  • Onde e como reduzir o teor de cloreto para minimizar a formação de 3-MCPD?
  • Como encaixar a mitigação de 3-MCPD e GE em um local existente?
  • Como escolher entre as opções de mitigação de GE disponíveis?
  • Como se preparar para regulamentações mais rígidas do conteúdo máximo desses contaminantes no futuro?

Veja o webinar agora

Soluções comprovadas para remoção de 3-MCPD e mitigação de GE

Desde 2017, a Alfa Laval vendeu e comissionou mais de 34 sistemas de lavagem de óleo de palma bruto ou CPO - em fábricas de CPO ou em refinarias. Não importa o tamanho da usina ou refinaria, podemos personalizar uma solução para atender aos seus requisitos de remoção de 3mcpd - e prepará-la para expansão futura em uma data posterior.

A Alfa Laval também tem uma longa tradição no fornecimento de tecnologia de desodorização flexível e confiável para mitigação de GE. Desde a década de 1960, a empresa vem construindo uma trajetória ascendente com novas maneiras de enfrentar os desafios de hoje. O refino Alfa Laval PalmFlex é a inovação mais recente em tecnologia de desodorização, que supera os sistemas padrão, melhorando significativamente a qualidade do óleo de palma refinado, branqueado e desodorizado.

As soluções da Alfa Laval não apenas reduzem 3-MCPD e GE do óleo de palma refinado, mas também ajudam a minimizar a perda de rendimento. Nossas soluções confiáveis com baixo consumo de energia e pouca manutenção oferecem desempenho superior, confiabilidade operacional e qualidade premium. Isso se traduz em baixo custo total de propriedade e verdadeira tranquilidade. 

Fale com nossos especialistas agora.

.

Quer receber gravações de webinar; convites para eventos futuros e novidades de produtos e serviços?

Essas informações são armazenadas e processadas de acordo com a nossa política de privacidade.